Category: Uncategorized

BEEEP – primeiro curta mobile da América Latina.


O primeiro caso de “celular com câmera” de que se tem notícia tem mais de duas décadas  que 22 anos. No ano de 1993, o designer Daniel A. Henderson cria o “Intellect”, descrito como um dispositivo de tecnologia foto telefônica sem fio. Ele criou dois protótipos de um produto capaz de receber e exibir (porém não necessariamente “enviar”) imagens e vídeos de um hub de mensagens. Ambos os protótipos estão, hoje, em exibição no Museu Smithsonian, nos EUA.

https://br.financas.yahoo.com/noticias/primeiro-celular-com-c%C3%A2mera-foi-195229882.html#:~:text=No%20Ocidente%2C%20o%20primeiro%20celular,de%20%E2%80%9CSanyo%20Katana%E2%80%9D).

No início dos anos 2000, um dos primeiros telefones celulares com câmera de vídeo (e giratória), foi lançado pela Samsung. O celular fez parte de uma geração de dispositivos móveis que revolucionou a indústria do conteúdo no mundo, transformando pessoas comuns em produtores. Esse meio tão prático e imediato de produzir e gerar conteúdo, potencializado pelas redes sociais, talvez tenha sido a grande revolução do século na área de comunicação e entretenimento.

Lembrei que na época de estudante de cinema em Florença na Itália a grande dificuldade era justamente equipamento audiovisual para produzir, gravar e logo em seguida exibir, compartilhar. Os equipamentos, câmeras, fitas ou filmes, softwares de edição, tudo isso era caro e a exibição para a massa contava apenas com Festivais de Cinema ou a mídia televisiva quase inatingível.

Mas, com este aparelho mobile em mãos tudo mudou! 

E então tive a oportunidade de gravar o que foi apontado pelo Miami Herald, a Folha de São Paulo e o Jornal A Tribuna, na época como primeiro curta mobile da América Latina. Uma obra audiovisual totalmente gravada no celular e com um novo formato de comunicação: vídeos mensagens. Tão comuns nos dias de hoje.

A produção realizada pelo celular com o título de “Beeep” antecipou o que hoje, 20 anos depois, é uma tendência: as vídeo chamadas ou vídeo mensagens realizadas pelo mobile com total praticidade e imediatismo.

O processo de construção do roteiro foi experimental e pelo próprio celular. 

Deixei uma mensagem intrigante no telefone de alguns amigos em Miami, São Paulo, Buenos Aires, e por um tempo desapareci, não atendia o celular e esperava que me enviassem suas mensagens em busca de uma resposta; foram muitas as mensagens de retorno, um laboratório de criação para captar o imaginário das pessoas e com se relacionavam com a câmera do celular nesse novo formato de comunicação.

O compilado dessas mensagens hilárias deixadas no meu celular deu origem ao roteiro de “Beeep”, uma série de vídeos curtos com personagens inusitados, enviados para o telefone celular da protagonista, a Manu, uma amiga que desapareceu depois de uma festa sinistra em South Beach – Miami, Florida. 

Ao longo do curta mobile, através dessas mensagens em vídeo das personagens, é possível juntar as peças do enigma e tentar descobrir o paradeiro da protagonista que só reaparece no final.

De Volta ao Futuro do Entretenimento


Cada dia que passa as novas tecnologias aceleram desafios às indústrias já estabelecidas no passado.

Com a Indústria do Entretenimento não poderia ser diferente. É fundamental olharmos para esse impacto das tecnologias de forma transversal, observando e mapeando de maneira holística toda a calda longa (long tail) de oportunidades que surgem incluindo novos modelos de negócio e novos players.

Como a Roku TV, por exemplo, que surgiu como desenvolvedor de hardware para streaming, e hoje 69% da receita é da plataforma de distribuição de conteúdo, não do hardware. A empresa tem 10 mil canais de conteúdo e o dobro de assinantes da Comcast, maior operadora de TV a cabo dos E.U.A). 

Novos players e gigantes de MediaTech desenvolvem inteligência artificial (AI) e algoritmos capazes de ajudar a compreender esse ecossistema complexo que vem se transformando para agregar e entregar novas possibilidades de conteúdo e inovação em tempo real. Esse avanço tecnológico por sua vez permite outras formas de se conectar com o público, ampliando demandas em cenários onde antes não era possível experimentar, interagir e sentir.

A Experiência do Consumo de Entretenimento.

A chegada de tecnologias na área do entretenimento eletrônico doméstico, por exemplo, envolve empatia no comportamento do consumidor, praticidade e imediatismo, e por consequência aumenta as oportunidades de produtores e publishers de conteúdo no território fértil das marcas que buscam relacionamento e poder de alcance emocional com seus clientes, consumidores e fãs. 

Dos tradicionais filmes, seriados, animações, novelas e documentários televisivos, hard news, esportes e videogame, e-Sports, Realidade Virtual e Aumentada (VR/AR), aos conteúdos produzidos pelos nossos amigos e familiares nas redes sociais e vídeos curtos no TikTok, Gifs e Memes de WhatsApp, Stories em mais de uma plataforma, e já pensando no 5G de 2021, novas narrativas presentes na sua geladeira, na sua casa, no seu carro e nas cidades inteligentes. Tudo conectado e falando com você no tom e no mood pré-programados pela sua preferência (usabilidade). 

E um ponto previsível nesse futuro é a integração com algo que está o tempo todo em nossas mãos: dispositivos móveis.

O CELULAR É O NOVO CONTROLE REMOTO.

Buscando algo que despertasse a atenção na Netflix encontrei o desenho interativo do “O Chefinho“, com o episódio”Pega Esse Bebê!“, todo gamificado para cumprir missões e descobrir onde você se encaixa, numa mistura de teste vocacional e aventura que em alguns momentos permite ao espectador ou jogador, usar o controle ou mobile para escolher entre duas opções que aparecem na tela para dar um novo rumo à história.

Não é inovação, o “O Gato de Botas” também teve recurso semelhante e em 2009 na Rede Globo realizamos o seriado “Malhação ID” na web com a mesma premissa de múltipla escolha interativa. Mas, a partir de 2021, televisores de tela plana produzidos no Brasil começarão a sair de fábrica com integração entre a smart TV e os aplicativos móveis instalados em smartphones que estejam conectados na mesma rede Wi-Fi, uma nova versão do middleware de TV digital nacional, o Ginga D.

Essa conectividade pode e deve gerar oportunidades de entretenimento, serviços e vendas mais interativas:

  • Recomendação de conteúdo – Quem que estiver logado, assistindo a um determinado programa no app de uma emissora na televisão ou em seu smartphone, poderá ser avisado em tempo real que o conteúdo tem uma versão ao vivo pronta pra começar. Além é claro, da recomendações de acordo com seu perfil, demanda de consumo e interesse.
  • Publicidade segmentada – Pelo login do aplicativo no streaming da TV ou em dispositivos móveis (celulares), será possível entregar uma publicidade personalizada por geolocalização e usabilidade (experiência do usuário-UX) no intervalo ou durante os programas na TV transformando o celular num touch point com a audiência mais estratégico.
  • Comércio eletrônico – Produtos e serviços que aparecem durante a programação na tela da televisão poderão ser oferecidos pelo e-commerce através de apps. no celular.

As novas tecnologias também trazem novidades de formatos e linguagens e aproveito para compartilhar  três inovações interessantes na Indústria do Entretenimento.

Produção de conteúdo usando algoritmos:

Certa vez, escrevi em outro artigo sobre o algoritmo desenvolvido para criar Folk Music baseado nas canções de Bob Dylan, o bot Dylan.

https://www.linkedin.com/pulse/reflexões-da-caverna-hi-giuliano-chiaradia/

Mais recentemente a artista Taryn Southern foi um pouco mais ousada e lançou o seu novo álbum com a colaboração de uma inteligência artificial.

Vídeos super hiper realistas:

Com potencial para criar uma grande revolução na indústria das animações e efeitos especiais. Por outro lado, os vídeos super realistas que buscam imitar na perfeição nas expressões faciais e sintetizadores de voz, terão um grande desafio de controle e no combate às Fake News.

O palco de um circo virtual:

Para eliminar a utilização de animais durante as apresentações, o circo alemão Circus Roncalli criou o primeiro show circense holográfico do mundo. As projeções são feitas por hologramas 3D e criam um novo formato de show.

Enfim, são muitas as oportunidades e acredito na “Teoria do Conteúdo Líquido” para enxergar um futuro interativo, com presença omnichannel, não apenas digitais e tecnológicas, múltiplas plataformas analógicas e reais como eventos hibrídos, todos disputando a atenção na timeline de nossas vidas contra o veloz “killer scroll” dos nossos dedos no feed, a experiência, o conteúdo, a ideia será entregue através de dados personalizados com poder emocional de nos transformar em clientes, consumidores e fãs.

 Giuliano Chiaradia

Um dos pioneiros em Digital no Brasil com projetos inovadores na Rede Globo por 9 anos. Responsável por construir a área Digital do SBT Online e liderar seu crescimento multiplataforma. Formado em Gestão Estratégica e Novos Negócios pela Coppead Business School UFRJ e Transformação Digital na Hyper Island em Londres. Vencedor de 12 Prêmios Internacionais e Nacionais como Melhor Diretor e Inovador.

Fundador do Projeto #Artmobile, inovação social que ensina jovens de comunidades ao redor do mundo a fazer arte com celular: Brasil, Etiópia, Israel, Palestina, Tanzânia, Marrocos e Uruguai.

Extensões em cinema e TV na Itália, Cuba e nos Estados Unidos. Palestrante sobre Inovação e Digital no Brasil e no Exterior.

2020, O ano que já “Cancelou” (ou não).


foto-artigo-vuca

A crise da covid-19, infecção respiratória causada pelo novo coronavírus tende a ser a maior desde a Segunda Guerra Mundial ou a Peste Negra.

Para muitas marcas, com a pandemia de 2020 foi necessário cancelar uma série de projetos, fazer cortes de colaboradores e o impacto das restrições de segurança levou empresas despreparadas para a transformação digital a falir.

O mercado de alimentos, o varejo em geral e sobretudo o entretenimento tornaram-se totalmente digitais e o dinheiro praticamente desapareceu.

Para alguns, o ano 2020 já “Cancelou”.

Ou não! Historicamente pandemias ajudaram megacorporações a crescer ainda mais.

Vivemos a Era da Resiliência

Toda mudança no mundo surge a partir de um cenário de incerteza ou instabilidade. A Transformação Digital dos tempos atuais assusta algumas empresas sobretudo pela velocidade hiper acelerada que as novas tecnologias trazem.

O covid-19 está se mostrando a força mais disruptiva da nova Era cada vez mais volátil, complexa e repleta de incertezas, que vem reunindo em tempo real dados capazes de interpretar sentimentos e novos comportamentos para repensar metas e fórmulas antigas.

Empresas que já investiam em home office, processos ágeis, canais de venda digitais e novas entregas (serviços e conteúdos) levam vantagem.

COVID-19 e o MUNDO V.U.C.A

Apesar de não se tratar de um conceito novo, muitas empresas ainda não sabem o significa V.U.C.A e, portanto, como ainda não mudaram o mindset, não sabem bem como se comportar e o que fazer para minimizar os efeitos nesse cenário com perguntas que vão muito além de “O que fazer?” “O que dizer?” “Onde ir?”.

Mas sim, como você vai ser relevante para os seus clientes hoje e depois da crise criando um “long tail” (Cauda longa) de ações? Como vai se comunicar com agilidade, praticidade e imediatismo? Ou como vai ajudar a sociedade a retomar com resiliência?

images.png

V.U.C.A é um acrônimo que vem do inglês: Volatility (volatilidade), Uncertainty (incerteza), Complexity (complexidade) e Ambiguity (ambiguidade) e surgiu nos Estados Unidos na década de 90 para definir estratégias ágeis e complexas para um mundo veloz, repleto de incertezas, que pede agilidade no modo de pensar e agir com um novo “mindset”.

O mindset V.U.C.A

No conceito V.U.C.A é necessário ter um mindset criativo e de resiliência para lidar com a volatilidade das grandes e rápidas mudanças, aceleradas hoje por transformações tecnológicas e pelas incertezas que permeiam diferentes segmentos da sociedade moderna representados por uma diversidade de micro targets.

Há também uma complexidade no sistema que nos leva à inúmeras variáveis de causas e efeitos, onde fica difícil entender o cenário como um todo, que por sua vez é ambíguo, interconectado e com um novo ecossistema de diferentes players, o que pode ser complicado de entender que o mercado mudou. O cliente mudou. O negócio mudou e continuará mudando…

#SOMOSTODOS STAKEHOLDERS

Talvez a maior contribuição do mindset V.U.C.A seja ajudar as empresas a pensar mais holisticamente sobre seus negócios e também para a sustentabilidade da cadeia de valor.

Com novas práticas de colaboração ao longo dessa cadeia surgem também novas relações entre acionistas, colaboradores, fornecedores, clientes e comunidade. Onde o propósito de uma marca é gerar valor para todos os envolvidos em suas atividades, os “stakeholders”. Em vez de verdades absolutas, temos cada vez mais fatos que precisam ser montados como um quebra-cabeças holístico, para tentar entender uma realidade muito mais complexa e ser capaz de dar respostas na mesma velocidade com que somos provocados pelas demandas, com uma postura voltada às pessoas, sustentabilidade econômica e visão de longo prazo.

Case V.U.C.A 

Em plena pandemia global, quando por medida de segurança não podemos nos reunir em eventos públicos, muitos segmentos sofreram forte impacto. As indústrias que mais dependem de bilheteria como cinema, parques temáticos e shows foram as primeiras e serem impactadas e se calhar as últimas a se recuperar.

Em Portugal, por exemplo, as salas de cinema vivem hoje a maior crise que a indústria da sétima arte já assistiu. Uma publicação no MediaLab. do renomado ISCTE – Instituo Universitário de Lisboa apontou uma quebra de mais de 75% do número de espectadores e em receitas até o momento no país.

https://medialab.iscte-iul.pt/to-be-continued-o-cinema-em-tempos-de-pandemia/

Por outro lado, o relatório “CORONAVIRUS TRENDS REPORT” da Dentsuaegis Portugal, mostra que a tendência de consumo de conteúdo digital desde o início do surto cresceu de forma significativa no país com downloads de aplicações, interações nas redes sociais e websites de serviço e conteúdo aumentando em 61% seu tráfego on-line.

Fonte: “Coronavirus Trends Report”.

Em 2020 o Rock in Rio completa 35 anos e infelizmente por razões óbvias de pandemia o mega evento não poderá ser realizado.

Mas o ano não cancelou pra quem tem Rock no nome. A marca aposta na inovação humana, construindo de maneira colaborativa (“asset” ideal para o momento), uma grande jornada de aprendizado transformando pessoas em protagonistas.

Entendendo a crescente demanda por conteúdo omnichannel, o Rock in Rio vem há muito tempo movimentando suas plataformas que começa sempre no ano anterior ao festival e através de um “long tailcom Meet Ups e Cursos on-line, Webinares e o Rock in Rio Innovation Week  vem criando experiências de aprendizado que integram conhecimento e entretenimento, o chamado Edutainment de Walter Disney no livro “Learning from Mickey, Donald and Walt: Essays on Disney’s Edutainment”.

Durante o isolamento social tive a oportunidade de escrever artigos, gravar webinar e recentemente fiz o curso do Rock in Rio sobre “Gestão de eventos de sucesso” e acompanhei a Websérie na plataforma de vídeos, interagi nas redes sociais da marca e fiz parte de um grupo de estudos no WhatsApp do projeto criado para dialogar e compartilhar conteúdo. A marca observa muito suas redes interagindo com clientes, parceiros e fãs em todos os pontos de contato, e tudo que envolve Rock in Rio tem um storytelling onde o grande desafio é fazer virar realidade (storydoing).

Faça e Aconteça, Troca de Conhecimento e Inspiração, passion points que integrados na estratégia do Conteúdo Líquido e a Cultura do Fã geram o engajamento e a empatia fundamentais para essa mudança de mindset.

Veja mais sobre Estratégias Digitais: A Cultura do fã e o Conteúdo Líquido: https://setexperimental.wordpress.com/2020/04/14/fas-sao-os-melhores-storytellers/

Tudo isso dentro do conceito V.U.C.A se traduz em: Visão de possíveis oportunidades no mercado. Entendimento de desejos e demandas. Clareza no relacionamento com todos criando um canvas de negócio baseado na melhor experiência entre os stakeholders. Agilidade na maneira de aprender e reaprender. E não cancelar o ano!

 “Olhar para fora de maneira ampla, com criatividade, ouvir todos os stakeholders, ouvir todo mundo e refletir. O Rock in Rio tem essa sensibilidade de saber conectar pessoas e necessidades criando um grande experimento” Agatha Arêas – Vice President, Learning Experience Rock in Rio.

E o pós-Covid não será diferente

A pandemia do covid-19 mostrou como buscas, demandas e comportamentos de compra dos consumidores podem mudar muito rápido, e nesse caso, o mindset V.U.C.A pode ajudar a AGIR E REAGIR em tempo real. A conexão entre marcas e pessoas, a experiência com o conteúdo e as demandas de e-commerce não serão mais como antes.

Vitrines de shoppings e cardápios de mesa viraram anúncios digitais baseados nos relatórios em tempo real com dados de comportamento direcionando a relação com o consumidor, cliente ou fã.

Aplicativos de conversa, Lives e Webinares sobre os mais diferentes interesses tiveram uma demanda “quanti e quali” muito maior, deixando um legado dessa troca de conhecimento entre as pessoas criando laços, conexões e relações.

Cada vez mais nos conectamos através da emoção com novos formatos de entretenimento e interatividade capazes de desenhar jornadas e experiências memoráveis (UX) onde no “novo normal”, ser criativo, inovador e tecnológico são soft skills essenciais na busca pela ATENÇÃO das pessoas, com poucos segundos para despertar empatia e criar oportunidades de venda cada vez mais voláteis nos diferentes feeds.

Tudo isso potencializado de maneira cognitiva pela inteligência artificial, usando CRA (Customer Relation Automation) e internet 5G.

O fato de uma crise global ter afetado todas as classes sociais, raças e gêneros torna o mundo mais volátil, incerto, ambíguo e também muito complexo, por outro lado tudo isso pode, com êxito, ressignificar o nosso mundo tornando-o mais colaborativo, consciente e menos egoísta. Mais emocional, mais sensorial e mais humano.

unnamed

Aproveito e compartilho 4 pontos interessantes do mindset V.U.C.A:

VOLATILIDADE – A VISÃO para mapear novas oportunidades e ser mais proativo.

A crise mostra que as empresas proativas levam vantagem e essa tendência só vai ganhar força no futuro.

Uma possibilidade de ampliar a VISÃO é quando aprendemos a trabalhar com “squads” (equipes multidisciplinares) que com diferentes e constantes contribuições pensam em prováveis cenários de futuro com soluções criativas de curto, médio e longo prazo, sendo assim mais proativos e disruptivos no mercado.

INCERTEZA – O ENTENDIMENTO do novo, com foco no diálogo com os consumidores, clientes, colaboradores, fãs interagindo 365 dias e interpretando dados em tempo real.

Preste atenção nos sinais do público para descobrir o possível “novo normal”. Procure interpretar os dados como fonte de novos insights do que está ou não funcionando, para estruturar e validar estratégias criativas e, quando necessário, corrigir a jornada do conteúdo e a experiência do consumidor (UX).

COMPLEXIDADE – A CLAREZA, onde marcas, publishers de conteúdo e influenciadores terão que se preocupar cada vez mais com o storydoing, vivenciando histórias que sejam de verdade relevantes e em formatos de consumo rápido, curtas (short formats) para um ecossistema complexo com vários perfis (micro targets).

E só será relevante o storytelling que tiver clareza, for verdadeiramente autêntico e buscar expandir suas narrativas interagindo de verdade com as pessoas provocando empatia.

Provoque “conversas de verdade” com pessoas de verdade e tenha seu propósito muito claro.

AMBIGUIDADE – A AGILIDADE, inquietude e coragem.

Relevância com todos os stakeholders é fundamental para criar agilidade nos processos e parcerias. É indispensável ter credibilidade entre os parceiros e colaboradores para aprender co-criar rápido, produzir, interagir, corrigir se necessário, e seguir em frente todos juntos.

É importante em cenários assim, ter flexibilidade, maturidade e coragem pra entender riscos como os novos desafios e a capacidade de corrigir imediatamente a jornada otimizando recursos, implementando táticas corretas de digital e customização, aumentando o alcance dos seus produtos com a agilidade necessária na entrega.

Saiba mais sobre #V.U.C.A no nosso Webinar Digitalks:

Captura de Tela 2020-02-07 às 14.50.53

Pioneirismo Mobile (Rede Globo)


100% GRAVADO E EDITADO NO CELULAR!

Numa época em que o celular era usado basicamente para falar e mandar mensagens via SMS, em 2009 o programa ESTAÇÃO GLOBO da TV Globo trouxe uma novidade na sua grande de programação.

Na verdade, um pioneirismo na televisão brasileira!

A primeira vez que imagens gravadas pelo celular ganham a tela da TV!

Promo Estação Globo 2009 (mobile content) Pioneirismo e ineditismo na tela da TV, primeiras imagens de celular a serem exibidas em rede nacional para Rede Globo em 2009 para o programa Estação Globo. Os bastidores dos artistas foram revelados com total intimidade, praticidade e imediatismo que permitem as novas mídias.

Criação e Direção: Giuliano Chiaradia.

Direção Geral: Mariozinho Vaz.

Diretor de Núcleo: Marcos Paulo.

Em seguida, a ação viralizou pelo Projac invadindo todos os bastidores contando com a presença  Ivete Sangalo, Zezé de Camargo e Luciano, Debora Secco, Grazi, O Rappa, Massafera, Bel Marques, Nando Reis, Chitãozinho e Chororó, Xuxa, Claudia Leitte, Cesar Menotti e Fabiano, Frejat, Skank e muitos mais.

Criação e Direção de Making Of: Giuliano Chiaradia.

WEBINAR #VUCA


dig-pt-webnars-global

O QUE É O MOVIMENTO VUCA

(VOLATILITY. UNCERTAINTY. COMPLEXITY. AMBIGUITY)

POR QUE NOS TORNAMOS VOLÁTEIS, INCERTOS, COMPLEXOS E AMBÍGUOS?

COM TANTAS NOVIDADES TECNOLÓGICAS AO NOSSO REDOR

SURGEM NOVAS NARRATIVAS QUE TRANSBORDAM AS PLATAFORMAS

O CONTEÚDO É LÍQUIDO E TÃO CONTAGIANTE

QUE PERDE O CONTROLE NA REDE,

PASSA A FAZER PARTE DA CULTURA POPULAR E TRANSFORMA FÃS

EM MELHORES STORYTELLERS DAS MARCAS

QUAIS AS MUDANÇAS NECESSÁRIAS NESSA TRANSFORMAÇÃO DIGITAL

PRA QUE ISSO ACONTEÇA?

COMO MANTER SUA MARCA RELEVANTE E ONIPRESENTE?

QUAL A MELHOR ESTRATÉGIA DE MARKETING DIGITAL?

TÁTICAS E CASES DE SUCESSO QUE VÃO TRANSBORDAR O SEU MINDSET!

FÃS, OS MELHORES STORYTELLERS


94247437_10217024084905380_4638657966369669120_n

Não é de hoje que o fã exerce um papel importante na cultura de massa. Movidos pela serotonina, neurotransmissor da felicidade, fãs se conectam à propósitos e causas, alimentando seus sonhos por uma marca, produto ou uma banda de rock.

WEBINAR

CONTEÚDO LÍQUIDO E A CULTURA DO FÃ

O fã é um devoto, seguidor, admirador, amante, altamente estimulado por experiências em todos os pontos de contato.

Estímulos que mexem com os nossos sentidos, geram sentimentos, que por sua vez passam à fazer parte das nossas memórias afetivas.

Essas memórias geram empatia e como num passe de mágica, nos transformamos nos melhores storytellers das nossas experiências para o mundo!

No livro a Cultura da Convergência, Henry Jenkins fala sobre a Cultura Participativa e como o uso da Internet cria uma conexão receptora menos passiva. Segundo ele, o fã vive em busca de novas experiências de Entretenimento.

Jenkins fundamenta seu argumento em três conceitos básicos: convergência midiática, inteligência coletiva e cultura participativa.

Steve Jobs dizia que o sucesso dos projetos da Apple relacionados à música deram certo porque foram feitos por uma equipe fã de música.

Brian Chesky, CEO do Airbnb diz que prefere 100 pessoas que são fãs e amam sua marca, do que 1 milhão que apenas goste.

Claro! Todos nós sabemos que fãs movem montanhas! Ou movem pedras, assim como eu e muitos fãs dos Rolling Stones!!!

Me lembro bem do meu primeiro contato com a Cultura do Fã.

Embarcando do Brasil para os Estados Unidos, ganhei da atriz e amiga Cléo Pires, uma edição do seu novo ensaio para a revista Playboy.

Despretensiosamente, quando cheguei ao Festival de Cinema de Miami, indicado à premiação, comecei a brincar com todo o glamour da #vidadefestival, fotografando a capa da Playboy em momentos inusitados e sempre comentando com bom humor, como se fosse a personagem.

Com o imediatismo que permitem as redes sociais e a praticidade do telefone celular, tirava fotos da revista na piscina do hotel, no red carpet da mostra, fazendo compras na Lincoln Road, jantando no restaurante japonês com o ator José Wilker, dando entrevistas, enfim, transformando a revista numa celebridade durante o festival em Miami e postando fotos e textos no Twitter com a hashtag #vidadefestival.

Aos poucos a conexão com os fãs da atriz aconteceu e a empatia com o conteúdo foi compartilhada por seus seguidores nas redes sociais, entrando para o ecossistema e invadindo outras timelines.

Os fãs aguardavam as fotos para montar o capítulo do dia e compartilhar primeiro! De repente gamificaram a ação.

Textos de até 180 caracteres, fotos bem sacadas e bom humor foram a receita de um conteúdo digital inédito que gerou um convite muito bacana da editora Abril:

Fazer o ensaio oficial e exclusivo da revista da Cléo em Nova York, com tudo pago. rsss… De alguma maneira, a brincadeira tinha alavancado as vendas da revista no Brasil e se tornando a primeira Fotonovela do Twitter no Mundo.

Inovação e pioneirismo de uma maneira prática, imediata e orgânica que reflete bem o poder da cultura do fã.

O mini-documentário britânico Fan Culture: “The evolution of influence”, retrata como a cultura dos fãs se transformou ao longo do tempo e como ela está relacionada com o branding na construção da afetividade pelas marcas, sobretudo através de ações físicas e digitais.

Hoje o engajamento está baseado em conexão e relacionamento entre marcas e pessoas, através de histórias imersivas, novas narrativas, serialidade, cocriação e a mais alta empatia.

“Fãs são os melhores storytellers!”, e sinceramente acredito que essa seja a melhor definição sobre um Brand Lover.

Fã é um apaixonado! É um entusiasta, admirador, seguidor, um verdadeiro devoto.

Fãs são movidos por serotonina, um neurotransmissor que alcança nossas memórias afetivas gerando a empatia necessária com o conteúdo de uma marca.

E quando há empatia os fãs amam compartilhar. E ninguém grita mais alto que um fã, ninguém torce mais pelo seu time que um fã, ninguém chama mais atenção que um fã.

Mas, para que essa empatia possa se transformar em engajamento, 5 pontos se destacam na Estratégia da Cultura do Fã:

1- Autenticidade: pela demanda de conteúdo com que somos impactados diariamente em nossas timelines, uma das melhores maneiras de se destacar é através da autenticidade. Seja ela pela inovação, pelo formato ou pelo inusitado.

2- Peak moments: conceito originalmente descrito pelo psicólogo Abraham Maslow e muito citado na Hyper Island que significa: momentos de maior felicidade e satisfação. Proporcionar aos fãs experiências com o seu conteúdo que possam se transformar em momentos memoráveis.

3- Shareable content: investir no conteúdo compartilhável entre as comunidades, incentivar e promover o conteúdo colaborativo. Temos um mantra sobre esse tema e que faz parte da estratégia de distribuição: “Dar para as pessoas conteúdo que elas desejem compartilhar”. Aumentando assim a relevância da sua marca nas redes sociais.

4- Diálogo 365 dias: Interatividade. O consumo de conteúdo não é apenas ação, ele é também reação. As pessoas sentem necessidade de interagir e os comentários nas redes sociais são um bom exemplo de engajamento. Nunca deixe sua audiência, seus fãs, falando sozinhos. Nesse caso, marcas como a #Netflix fazem um excelente trabalho no tom de voz bem humorado e amigável no relacionamento (e acho que essa é a palavra-chave) entre fã e marca.

5- Serialidade: fãs adoram seguir. Simples assim! Seja uma maratona de séries no streaming, seja a jornada do herói, o seu time do coração ou a sua banda de rock favorita. O relacionamento do fã com o conteúdo é sequencial e ele deve ser estimulado com frequência.

Enfim, novas tecnologias surgem todos os dias com a internet das coisas e toda essa conectividade permite a liquidez da informação. O centro da atenção hoje é o consumidor, a audiência, que é cada vez mais impactada por esse enorme volume de conteúdo e sente necessidade de se conectar para engajar e ter fidelidade. Sendo assim, uma boa estratégia para criar essa relação pode ser através da paixão, da serotonina e da Cultura do fã.

WCD FAN

VUCA


VUCA dia 26/3 no Digitalks Lisboa!

Vamos falar sobre novas narrativas na transformação digital.

Já saiu a agenda: https://lnkd.in/dRgq5rk

dig-exp-pal-LINKEDIN

Captura de Tela 2020-02-07 às 14.50.53

O QUE É O MOVIMENTO VUCA

(VOLATILITY. UNCERTAINTY. COMPLEXITY. AMBIGUITY)

POR QUE NOS TORNAMOS VOLÁTEIS, INCERTOS, COMPLEXOS E AMBÍGUOS?

COM TANTAS NOVIDADES TECNOLÓGICAS AO NOSSO REDOR

SURGEM NOVAS NARRATIVAS QUE TRANSBORDAM AS PLATAFORMAS

O CONTEÚDO É LÍQUIDO E TÃO CONTAGIANTE

QUE PERDE O CONTROLE NA REDE,

PASSA A FAZER PARTE DA CULTURA POPULAR E TRANSFORMA FÃS

EM MELHORES STORYTELLERS DAS MARCAS

QUAIS AS MUDANÇAS NECESSÁRIAS NESSA TRANSFORMAÇÃO DIGITAL

PRA QUE ISSO ACONTEÇA?

COMO MANTER SUA MARCA RELEVANTE E ONIPRESENTE?

QUAL A MELHOR ESTRATÉGIA DE MARKETING DIGITAL?

TÁTICAS E CASES DE SUCESSO QUE VÃO TRANSBORDAR O SEU MINDSET

4BF0032D-542B-4B17-8D7B-D4AB5881AFE2

PARA QUEM É?

Professores e alunos de Comunicação, Publicidade e Propaganda, Jornalismo, Relações Públicas, Artes, Design, Tecnologia, produtores de conteúdo em geral, profissionais de Marketing, jornalistas, repórteres, redatores, roteiristas, planners e criativos de agência, executivos de vendas, gestores de redes sociais, empresas e marcas. Interessados em se reinventar nos mais diversos ramos do empreendedorismo, web, TV, rádio, marketing, games e contadores de histórias. Faixa etária: 16 anos.

B8D4B124-11BF-492D-88D8-EB730C0F438B

QUAL O OBJETIVO?

Ajudar na transformação digital de grandes empresas e profissionais nos mais diferentes segmentos de mercado.

Orientar, inspirar e educar na transformação digital necessária para a indústria da comunicação moderna. Produzir conteúdo relevante baseado em técnicas de Transmídia e Inteligência Artificial. Explorar novas ferramentas, novas narrativas, novas tecnologias com diferentes formatos de conteúdo multiplataforma. Entender a Cultura do Fã e como usar essa estratégia a seu favor. Mapear novas oportunidades de negócios.

E concluir com conhecimento para produzir no final um case de sucesso.

86399923_2209018949200655_7293647688938029056_o

O QUE VOCÊ LEVA DE APRENDIZADO?

Vamos aprender modernas práticas de transmídia e desenvolver novas narrativas

Conhecimento amplo, novas táticas e estratégias

cada vez mais líquidas para planejar a jornada do seu conteúdo digital.

E um case de sucesso pra chamar de SEU!

650c38bc-f9f8-447b-90d3-02c6880fdbaa

TEMAS ABORDADOS:

O MOVIMENTO VUCA NA OMNIERA

A VIDA LÍQUIDA NA TRANSMÍDIA

FENÔMENOS FOMO E JOMO

A INTERNET DAS COISAS & INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

NOVOS FORMATOS CONTEÚDO LÍQUIDO A CULTURA DO FÃ

EMPATIA E PASSION POINTS

Captura de Tela 2020-02-13 às 10.59.49

VUCA – Novas Narrativas na Transformação Digital

Talk: 20 min.

Palestra: 1hr.

Curso presencial: 4:00hrs.

Agenda e Investimento: setexperimental@gmail.com/ giulianoch@me.com

aba2d402-3cbf-42a3-8c7c-714aaafd7978

https://www.linkedin.com/in/giulianochiaradia/

 

 

Estratégia Digital


IMG_9891

Leia esse e outros artigos no LinkeInd:

https://www.linkedin.com/pulse/estratégia-digital-digitalks-lisboa-giuliano-chiaradia/

Pense em algo que realmente nos move quando falamos de digital e isso certamente será o ato de compartilhar. E durante o Digitalks Lisboa esse ano o que movimentou essas 48 horas foi justamente compartilhar conhecimento.

A oportunidade única de falar para mais de 700 pessoas presentes no centro da inovação portuguesa foi realmente uma das melhores experiências já compartilhadas com profissionais de diversas áreas de atuação no Digital.

O tema que apresentamos foi: A Teoria do Conteúdo Líquido e a Cultura do Fã como estratégia digital.

Onde na Omniera, pessoas e marcas se conectam através de histórias e com isso surgem novas narrativas cada vez mais integradas que transbordam as plataformas. Desse novo comportamento de consumo nasce a teoria do Conteúdo Líquido, onde o conceito é tão memorável ou significativo que se torna contagiante e as pessoas são altamente motivadas à compartilhar em suas timelines. Perdendo o controle na rede e entrando para a cultura popular.

“Fãs são os melhores storytellers!”, e sinceramente acredito que essa seja a melhor definição sobre um Brand Lover.

Fã é um apaixonado! É um entusiasta, admirador, seguidor, um verdadeiro devoto.

Fãs são movidos por serotonina, um neurotransmissor que alcança nossas memórias afetivas gerando a empatia necessária com o conteúdo de uma marca.

E quando há empatia os fãs amam compartilhar. E ninguém grita mais alto que um fã, ninguém torce mais pelo seu time que um fã, ninguém chama mais atenção que um fã.

Mas, para que essa empatia possa se transformar em engajamento, 5 pontos se destacam na Estratégia da Cultura do Fã:

1- Autenticidade: pela demanda de conteúdo com que somos impactados diariamente em nossas timelines, uma das melhores maneiras de se destacar é através da autenticidade. Seja ela pela inovação, pelo formato ou pelo inusitado.

2- Peak moments: conceito originalmente descrito pelo psicólogo Abraham Maslow e muito citado na Hyper Island que significa: momentos de maior felicidade e satisfação. Proporcionar aos fãs experiências com o seu conteúdo que possam se transformar em momentos memoráveis.

3- Shareable content: investir no conteúdo compartilhável entre as comunidades, incentivar e promover o conteúdo colaborativo. Temos um mantra sobre esse tema e que faz parte da estratégia de distribuição: “Dar para as pessoas conteúdo que elas desejem compartilhar”. Aumentando assim a relevância da sua marca nas redes sociais.

4- Diálogo 365 dias: Interatividade. O consumo de conteúdo não é apenas ação, ele é também reação. As pessoas sentem necessidade de interagir e os comentários nas redes sociais são um bom exemplo de engajamento. Nunca deixe sua audiência, seus fãs, falando sozinhos. Nesse caso, marcas como a #Netflix fazem um excelente trabalho no tom de voz bem humorado e amigável no relacionamento (e acho que essa é a palavra-chave) entre fã e marca.

5- Serialidade: fãs adoram seguir. Simples assim! Seja uma maratona de séries no streaming, seja a jornada do herói, o seu time do coração ou a sua banda de rock favorita. O relacionamento do fã com o conteúdo é sequencial e ele deve ser estimulado com frequência.

Enfim, novas tecnologias surgem todos os dias com a internet das coisas e toda essa conectividade permite a liquidez da informação. O centro da atenção hoje é o consumidor, a audiência, que é cada vez mais impactada por esse enorme volume de conteúdo e sente necessidade de se conectar para engajar e ter fidelidade. Sendo assim, uma boa estratégia para criar essa relação pode ser através da paixão, da serotonina e da Cultura do fã.